Ban­ca vai su­pe­rar cri­se? “Tra­ba­lho vai ser di­fí­cil”

O se­tor fi­nan­cei­ro es­tá ho­je mais bem pre­pa­ra­do pa­ra su­pe­rar a no­va cri­se pro­vo­ca­da pe­la pan­de­mia. Ain­da as­sim, Má­xi­mo dos San­tos con­si­de­ra que vai ser um tra­ba­lho “di­fí­cil e exi­gen­te”.

Jornal de Negócios - - EMPRESAS - RI­TA ATALAIA

“Vai ser um tra­ba­lho mui­to di­fí­cil e exi­gen­te, em­bo­ra o pon­to de par­ti­da [da ban­ca] se­ja ine­ga­vel­men­te me­lhor.

MÁ­XI­MO DOS SAN­TOS Vi­ce-go­ver­na­dor do BdP

A ban­ca tem pe­la fren­te um “tra­ba­lho mui­to di­fí­cil e exi­gen­te” pe­ran­te a no­va cri­se fi­nan­cei­ra pro­vo­ca­da pe­la pan­de­mia. A opi­nião é de Má­xi­mo dos San­tos, vi­ce-go­ver­na­dor do Ban­co de Portugal, nu­ma en­tre­vis­ta por es­cri­to ao Ne­gó­ci­os. O res­pon­sá­vel no­ta, ain­da as­sim, que o se­tor es­tá ho­je mais bem pre­pa­ra­do pa­ra su­pe­rar es­te obs­tá­cu­lo e ajus­tar-se a uma no­va re­a­li­da­de do que an­tes, num pe­río­do em que aca­bou por ace­le­rar o pro­ces­so de di­gi­ta­li­za­ção.

“Pre­pa­ra­do pa­ra uma cri­se com es­tas ca­rac­te­rís­ti­cas nin­guém es­ta­va. Ajus­tar-se à cri­se é uma ine­vi­ta­bi­li­da­de e uma con­di­ção pa­ra a su­pe­rar”, co­me­ça por di­zer Má­xi­mo dos San­tos, quan­do ques­ti­o­na­do pe­lo Ne­gó­ci­os so­bre se a ban­ca es­tá pre­pa­ra­da pa­ra se ajus­tar e su­pe­rar a no­va cri­se.

“Mas, co­mo eu pró­prio já as­si­na­lei nou­tra oca­sião, vai ser um tra­ba­lho mui­to di­fí­cil e exi­gen­te, em­bo­ra o pon­to de par­ti­da se­ja ine­ga­vel­men­te me­lhor e al­gu­mas li­ções de cri­ses pas­sa­das te­nham cer­ta­men­te si­do apren­di­das”, afir­ma ain­da o res­pon­sá­vel.

As au­to­ri­da­des têm ado­ta­do vá­ri­as me­di­das pa­ra apoi­ar os ban­cos e per­mi­tir que es­tes te­nham ca­pa­ci­da­de pa­ra em­pres­tar à eco­no­mia, se­ja atra­vés da fle­xi­bi­li­za­ção das re­gras em tor­no dos rá­ci­os de ca­pi­tal ou das re­co­men­da­ções pa­ra que não se­jam, por ago­ra, dis­tri­buí­dos di­vi­den­dos. Por ou­tro la­do, o Go­ver­no tam­bém avan­çou com mo­ra­tó­ri­as no cré­di­to com o ob­je­ti­vo de apoi­ar as fa­mí­li­as e em­pre­sas mais pe­na­li­za­das pe­la pan­de­mia, per­mi­tin­do adi­ar, até 31 de mar­ço de 2021, o pa­ga­men­to das dí­vi­das jun­to das ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras.

Es­te foi tam­bém um ba­lão de oxi­gé­nio pa­ra o se­tor ban­cá­rio.

Os pró­pri­os ban­cos já se es­tão a pre­pa­rar pa­ra even­tu­ais per­das fu­tu­ras, ao te­rem co­lo­ca­do de par­te mais de 200 mi­lhões de eu­ros em pro­vi­sões no pri­mei­ro tri­mes­tre. Is­to num pe­río­do em que as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras ti­ve­ram tam­bém de apos­tar ain­da mais na di­gi­ta­li­za­ção, pro­mo­ven­do a uti­li­za­ção dos ca­nais di­gi­tais jun­to dos cli­en­tes que es­ti­ve­ram con­fi­na­dos de­vi­do à pan­de­mia. Uma evo­lu­ção que obri­ga a uma mai­or apos­ta na edu­ca­ção fi­nan­cei­ra di­gi­tal dos cli­en­tes ban­cá­ri­os, pe­ran­te o risco de ci­be­ra­ta­ques.

Edu­ca­ção fi­nan­cei­ra di­gi­tal é “fun­da­men­tal”

“Os ca­nais di­gi­tais (‘on­li­ne e mo­bi­le/apps’) fa­ci­li­tam o aces­so aos pro­du­tos e ser­vi­ços fi­nan­cei­ros e re­ve­la­ram-se es­sen­ci­ais no atu­al con­tex­to de pan­de­mia e de ne­ces­si­da­de de dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al, ain­da que as ins­ti­tui­ções de cré­di­to te­nham man­ti­do sem­pre o aten­di­men­to ao pú­bli­co. Des­se pon­to de vis­ta, a pan­de­mia acentuou uma ten­dên­cia que era já im­pa­rá­vel”, diz Má­xi­mo dos San­tos ao Ne­gó­ci­os. “To­dos sa­be­mos, no en­tan­to, que a uti­li­za­ção de ca­nais di­gi­tais tem tam­bém as­so­ci­a­do um con­jun­to de ris­cos”, no­me­a­da­men­te os ci­be­ra­ta­ques, acres­cen­ta.

“A for­ma­ção fi­nan­cei­ra no do­mí­nio di­gi­tal é, pois, fun­da­men­tal e o Ban­co de Portugal es­tá bem cons­ci­en­te dis­so”, re­fe­re, re­lem­bran­do que já fo­ram da­dos al­guns pas­sos pa­ra pro­mo­ver a edu­ca­ção fi­nan­cei­ra di­gi­tal, atra­vés de cam­pa­nhas e do Por­tal do Cli­en­te Ban­cá­rio. “Co­mo é ób­vio, são ain­da pe­que­nos pas­sos de um ca­mi­nho mui­to lon­go pa­ra ob­ter­mos pa­râ­me­tros acei­tá­veis de edu­ca­ção fi­nan­cei­ra di­gi­tal”, diz.

Ques­ti­o­na­do so­bre se a edu­ca­ção fi­nan­cei­ra di­gi­tal dos por­tu­gue­ses é su­fi­ci­en­te num mo­men­to em que au­men­ta o nú­me­ro de ci­be­ra­ta­ques, Má­xi­mo dos San­tos diz que “res­pon­der afir­ma­ti­va­men­te a es­sa per­gun­ta se­ria uma to­tal mis­ti­fi­ca­ção”, já que os “ci­be­ra­ta­ques são um dos gran­des pro­ble­mas do nos­so tem­po”. Es­tes “co­lo­cam ques­tões que vão mui­to pa­ra além da edu­ca­ção fi­nan­cei­ra, em­bo­ra es­ta tam­bém se­ja fun­da­men­tal no con­tex­to da sua pre­ven­ção”, con­clui.

“Pre­pa­ra­do pa­ra uma cri­se [co­mo es­ta] nin­guém es­ta­va. [O se­tor fi­nan­cei­ro] ajus­tar-se é uma ine­vi­ta­bi­li­da­de e uma con­di­ção pa­ra a su­pe­rar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.