BlackRock diz que EUA es­tão ca­ros e apos­ta na Eu­ro­pa

A ges­to­ra con­si­de­ra que a for­te su­bi­da das ações nor­te-ame­ri­ca­nas dei­xou-as ca­ras, en­quan­to as em­pre­sas eu­ro­pei­as vão be­ne­fi­ci­ar mais com a re­cu­pe­ra­ção.

Jornal de Negócios - - MERCADOS - PA­TRÍ­CIA ABREU

As bol­sas dos Es­ta­dos Uni­dos não es­ca­pa­ram ao “sell off” vi­vi­do pe­los mer­ca­dos aci­o­nis­tas mun­di­ais du­ran­te o pi­co da pan­de­mia, mas des­de os mí­ni­mos de 23 de mar­ço Wall Stre­et dis­pa­ra cer­ca de 40%. Um mo­vi­men­to de for­te re­cu­pe­ra­ção que dei­xou as ações a ne­go­ci­ar em ní­veis ele­va­dos, se­gun­do con­si­de­ra a BlackRock. Já as ações eu­ro­pei­as apre­sen­tam bo­as opor­tu­ni­da­des de in­ves­ti­men­to.

As ações dos Es­ta­dos Uni­dos eram uma das apos­tas da BlackRock pa­ra 2020. Mas a pan­de­mia e a es­ca­la­da re­gis­ta­da pe­las bol­sas nor­te-ame­ri­ca­nas nos úl­ti­mos me­ses le­va­ram a en­ti­da­de a re­ver a sua es­tra­té­gia, pas­san­do a ter uma pers­pe­ti­va “neu­tral” pa­ra es­tes ati­vos. “As bol­sas dos EUA ti­ve­ram um ex­ce­len­te com­por­ta­men­to e ago­ra es­tão com ava­li­a­ções es­ti­ca­das”, re­al­ça An­dré Themudo.

Além de es­ta­rem a ne­go­ci­ar com va­lo­res ele­va­dos, o res­pon­sá­vel da BlackRock pa­ra Portugal re­al­ça ou­tros três fa­to­res que le­va­ram a ges­to­ra a re­ver em bai­xa a sua re­co­men­da­ção pa­ra os EUA: a for­ma co­mo o país es­tá a ge­rir a cri­se pan­dé­mi­ca; as ten­sões com a China; e a vo­la­ti­li­da­de que po­de sur­gir com o apro­xi­mar das elei­ções pre­si­den­ci­ais no país.

Re­cu­pe­ra­ção é opor­tu­ni­da­de na Eu­ro­pa

Já as bol­sas eu­ro­pei­as, cu­jo de­sem­pe­nho é bas­tan­te in­fe­ri­or ao re­gis­ta­do pe­las pra­ças nor­te-ame­ri­ca­nas, dei­xa­ram de ter uma re­co­men­da­ção ne­ga­ti­va pa­ra se­rem uma das apos­tas da BlackRock. “Os se­to­res mais ex­pos­tos na Eu­ro­pa são os mais cí­cli­cos”, ex­pli­ca An­dré Themudo. Des­ta for­ma, “com a re­cu­pe­ra­ção [eco­nó­mi­ca], a Eu­ro­pa po­de ser mais be­ne­fi­ci­a­da”.

Os pla­nos de es­tí­mu­lo anun­ci­a­dos por mui­tos paí­ses eu­ro­peus, des­de lo­go Ale­ma­nha e Fran­ça, tam­bém são con­si­de­ra­dos pe­la ges­to­ra de ati­vos um ele­men­to fun­da­men­tal, na me­di­da em que vão su­por­tar a retoma.

Ain­da no universo das ações, o Ja­pão é ou­tra das re­giões on­de a BlackRock iden­ti­fi­ca opor­tu­ni­da­des de in­ves­ti­men­to. Além de as ações ni­pó­ni­cas ga­nha­rem com os es­tí­mu­los fis­cais im­ple­men­ta­dos pe­las au­to­ri­da­des na re­gião, An­dré Themudo no­ta ain­da a mai­or ca­pa­ci­da­de do país pa­ra con­tro­lar a cri­se pan­dé­mi­ca.

Pe­los mo­ti­vos opos­tos, os mer­ca­dos emer­gen­tes pas­sa­ram a ter uma re­co­men­da­ção de “un­derweight”. “Es­tes paí­ses es­tão nu­ma si­tu­a­ção mais de­li­ca­da pa­ra en­fren­tar a cri­se” e têm me­nor ca­pa­ci­da­de pa­ra avan­çar com me­di­das or­ça­men­tais, co­mo acon­te­ceu nos mer­ca­dos de­sen­vol­vi­dos, con­clui o res­pon­sá­vel pe­lo ne­gó­cio da BlackRock em Portugal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.