A res­pos­ta à pan­de­mia – Ato II

Jornal de Negócios - - OPINIÃO - JE­AN PISANI-FER­RY Mem­bro sé­ni­or do think tank Bru­e­gel se­di­a­do em Bru­xe­las e mem­bro sé­ni­or não re­si­den­te do Pe­ter­son Ins­ti­tu­te for In­ter­na­ti­o­nal Eco­no­mics, de­tém a cá­te­dra Tom­ma­so Pa­doa-Schi­op­pa no Eu­ro­pe­an Uni­ver­sity Ins­ti­tu­te.

Há 12 anos, os go­ver­nos das mai­o­res eco­no­mi­as do mun­do res­pon­de­ram de for­ma rá­pi­da e efi­caz à cri­se fi­nan­cei­ra. Os ban­cos à bei­ra do co­lap­so fo­ram na­ci­o­na­li­za­dos. A po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria agiu em for­ça. Foi ga­ran­ti­do um apoio or­ça­men­tal mas­si­vo. A co­or­de­na­ção glo­bal foi in­ten­sa.

Mas fo­ram co­me­ti­dos gran­des er­ros, com con­sequên­ci­as que só fo­ram sur­gin­do de for­ma gra­du­al. A fal­ta de pu­ni­ção pa­ra os res­pon­sá­veis pe­lo co­lap­so fi­nan­cei­ro abriu ca­mi­nho pa­ra a ex­pan­são po­pu­lis­ta dos úl­ti­mos anos. E a eco­no­mia da Eu­ro­pa tro­pe­çou re­pe­ti­da­men­te, por­que os pro­ble­mas da ban­ca fo­ram ne­gli­gen­ci­a­dos du­ran­te mui­to tem­po e re­ti­rou-se o apoio or­ça­men­tal ce­do de­mais. Os re­sul­ta­dos fo­ram pro­fun­das ci­ca­tri­zes so­ci­o­e­co­nó­mi­cas e po­lí­ti­cas que per­ma­ne­ce­ram mui­to vi­sí­veis com a che­ga­da da cri­se da co­vid-19. Vai re­pe­tir-se o mes­mo pa­drão? Com o iní­cio do Ato II da cri­se pan­dé­mi­ca, es­sa é uma ques­tão-cha­ve.

Já é evi­den­te uma gran­de dis­pa­ri­da­de ao ní­vel dos efei­tos da pan­de­mia nos paí­ses. As di­fe­ren­ças são des­con­cer­tan­tes: o Rei­no

Uni­do re­gis­tou 650 mor­tes por mi­lhão de ha­bi­tan­tes, en­quan­to a ta­xa de mor­ta­li­da­de da Co­reia do Sul é de ape­nas cin­co por mi­lhão de ha­bi­tan­tes. Da mes­ma for­ma, o nú­me­ro de mor­tos na UE é 100 ve­zes mai­or nos paí­ses mais afe­ta­dos do que nos paí­ses mais bem pro­te­gi­dos.

Es­sas di­fe­ren­ças re­fle­tem, em par­te, um gol­pe de sor­te: en­quan­to o ví­rus se es­pa­lha­va por Itá­lia, os paí­ses do Nor­te da Eu­ro­pa vi­ram-no a apro­xi­mar-se e pu­de­ram pre­pa­rar-se. Mas es­sas di­ver­gên­ci­as tam­bém re­sul­tam da eficácia de­si­gual das po­lí­ti­cas de saú­de pú­bli­ca. Nes­se sen­ti­do, um even­tu­al ran­king co­lo­ca­ria provavelme­nte o Les­te da Ásia mui­to à fren­te de qual­quer ou­tra re­gião, a Ale­ma­nha à fren­te do res­to da Eu­ro­pa, os Es­ta­dos Uni­dos no fun­do da lis­ta dos paí­ses de­sen­vol­vi­dos e o Bra­sil e a Ín­dia bem atrás de al­guns paí­ses me­nos de­sen­vol­vi­dos. A rai­va con­tra os Es­ta­dos que fra­cas­sa­ram na pro­te­ção do seu po­vo é um fa­tor im­por­tan­te pa­ra mol­dar fu­tu­ros de­sen­vol­vi­men­tos po­lí­ti­cos.

Os con­fi­na­men­tos ri­go­ro­sos re­ve­la­ram-se efi­ca­zes, mas eco­no­mi­ca­men­te dis­pen­di­o­sos: o ri­gor das me­di­das ad­mi­nis­tra­ti­vas aca­ba por ser um bom in­di­ca­dor das que­bras do PIB na pri­mei­ra me­ta­de do ano. Mas as nu­an­ces tam­bém im­por­tam. Co­mo a sua res­pos­ta se mos­trou mais des­cen­tra­li­za­da e adap­tá­vel, a Ale­ma­nha con­se­guiu mi­ni­mi­zar o cus­to eco­nó­mi­co da con­ten­ção do ví­rus. A sua es­tra­té­gia exi­biu o la­do po­si­ti­vo do fe­de­ra­lis­mo (os EUA en­car­nam o la­do ne­gro).

As res­pos­tas or­ça­men­tais têm si­do bas­tan­te ho­mo­gé­ne­as em to­da a Eu­ro­pa: os go­ver­nos im­ple­men­ta­ram es­que­mas de garantia de cré­di­to que aju­da­ram as em­pre­sas a ter aces­so a li­qui­dez e es­que­mas de ma­nu­ten­ção de em­pre­gos, com o Estado a as­su­mir par­te dos sa­lá­ri­os. As me­di­das fo­ram rá­pi­das e efi­ca­zes: as em­pre­sas so­bre­vi­ve­ram, as re­la­ções de em­pre­go fo­ram pre­ser­va­das e o ren­di­men­to fa­mi­li­ar foi pro­te­gi­do.

Nos EUA, pe­lo con­trá­rio, hou­ve des­pe­di­men­tos em mas­sa e o de­sem­pre­go dis­pa­rou. Ape­sar da sua ge­ne­ro­si­da­de, o pré­mio acres­cen­ta­do aos be­ne­fí­ci­os de de­sem­pre­go, as isen­ções fis­cais pa­ra as fa­mí­li­as e os sub­sí­di­os pa­ra as pe­que­nas em­pre­sas que vol­ta­ram a con­tra­tar de­pois do con­fi­na­men­to não im­pe­di­ram di­fi­cul­da­des. No ge­ral, a com­pa­ra­ção com Fran­ça mos­tra que o cus­to de mi­ti­ga­ção das con­sequên­ci­as eco­nó­mi­cas da pan­de­mia foi 50% su­pe­ri­or nos Es­ta­dos Uni­dos e a dis­rup­ção mui­to mai­or. Aqui, a de­vi­da vé­nia ao estado so­ci­al da Eu­ro­pa.

On­de a pan­de­mia re­cu­ou, o fo­co es­tá ca­da vez mais no rit­mo e na for­ça da re­cu­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca. A OCDE e o Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal ob­ser­vam que Itá­lia, Es­pa­nha, Fran­ça e Rei­no Uni­do fo­ram par­ti­cu­lar­men­te afe­ta­dos. As su­as eco­no­mi­as es­tão a res­ta­be­le­cer-se, mas quan­to da pro­du­ção per­di­da se­rá re­cu­pe­ra­da? Após a cri­se fi­nan­cei­ra glo­bal, Es­pa­nha le­vou oi­to anos pa­ra re­gres­sar ao PIB per ca­pi­ta pré-cri­se e em Itá­lia e na Gré­cia es­se ní­vel ain­da não foi re­cu­pe­ra­do. O risco ago­ra é um en­fra­que­ci­men­to adi­ci­o­nal do Sul da Eu­ro­pa.

Pa­ra evi­tar da­nos du­ra­dou­ros, a pri­mei­ra pri­o­ri­da­de é con­ti­nu­ar a apoi­ar a re­cu­pe­ra­ção du­ran­te o tem­po que for ne­ces­sá­rio. O risco de ex­ces­so de dí­vi­da pú­bli­ca é mui­to real, mas o risco de con­tra­ção eco­nó­mi­ca é ain­da mais gra­ve - in­clu­si­ve do pon­to de vis­ta or­ça­men­tal. Atu­al­men­te, os dé­fi­ces são ca­ros no cur­to pra­zo (e po­ten­ci­al­men­te ca­ros no lon­go pra­zo, mo­ti­vo pe­lo qual as fi­nan­ças públicas de­vem ser ge­ri­das com res­pon­sa­bi­li­da­de). Ain­da há mar­gem or­ça­men­tal. De­ve ser usa­da de for­ma sen­sa­ta, mas de­ve ser usa­da. Os go­ver­nos de­vem con­ti­nu­ar a de­sem­pe­nhar o pa­pel de com­pra­do­res de úl­ti­mo re­cur­so.

As po­lí­ti­cas do la­do da pro­cu­ra, por si só, não bas­tam. Uma se­gun­da pri­o­ri­da­de é evi­tar uma on­da de fa­lên­ci­as. Mui­tas em­pre­sas fo­ram gra­ve­men­te atin­gi­das. Mes­mo li­ber­tas das res­pon­sa­bi­li­da­des sa­la­ri­ais, ain­da ha­via cus­tos fi­xos pa­ra pa­gar. A pro­vi­são de li­qui­dez tem si­do um tra­ta­men­to útil, mas não uma cu­ra.

As­sim, é ne­ces­sá­rio en­con­trar so­lu­ções pa­ra em­pre­sas viá­veis, mas al­ta­men­te en­di­vi­da­das. Ha­ve­rá tan­tas nu­ma si­tu­a­ção ter­rí­vel que os pro­ce­di­men­tos le­gais nor­mais ame­a­ça­rão so­bre­car­re­gar os sis­te­mas ju­di­ci­ais.

Pa­ra evi­tar es­te ce­ná­rio, os go­ver­nos de­vem es­ta­be­le­cer me­ca­nis­mos pa­ra a re­es­tru­tu­ra­ção da dí­vi­da em lar­ga es­ca­la. Di­fe­ri­men­tos de im­pos­tos e es­que­mas de garantia tor­na­ram os go­ver­nos cre­do­res pa­ra um gran­de nú­me­ro de pe­que­nas em­pre­sas. Num ar­ti­go com Oli­vi­er Blan­chard, do Ins­ti­tu­to Pe­ter­son, e Thomas Phi­lip­pon, da Uni­ver­si­da­de de No­va Iorque, pro­po­mos que os cre­do­res pri­va­dos – prin­ci­pal­men­te ban­cos – sai­bam que os go­ver­nos apoi­a­rão as de­ci­sões de re­es­tru­tu­rar a dí­vi­da das em­pre­sas viá­veis e que par­ti­ci­pa­rão do re­es­ca­lo­na­men­to ou per­dão das dí­vi­das exis­ten­tes. Co­mo os go­ver­nos va­lo­ri­zam o im­pac­to po­si­ti­vo da so­bre­vi­vên­cia das em­pre­sas em to­dos os ti­pos de par­tes in­te­res­sa­das, de­vem até dei­xar cla­ro que acres­cen­ta­rão um “pré­mio de con­ti­nui­da­de” a tu­do o que os cre­do­res pri­va­dos fi­ze­rem. Is­so po­de­ria sal­var mui­tos em­pre­gos.

Os go­ver­nos tam­bém de­vem aju­dar a li­dar com as con­sequên­ci­as das que­bras de pro­du­ti­vi­da­de. Os pa­drões de saú­de afe­tam se­ri­a­men­te a ren­ta­bi­li­da­de de al­guns se­to­res. Um res­tau­ran­te, por exem­plo, re­ce­be ago­ra me­nos cli­en­tes com apro­xi­ma­da­men­te o mes­mo nú­me­ro de fun­ci­o­ná­ri­os; um gi­ná­sio tem de ter mais pes­so­al de­di­ca­do à lim­pe­za e hi­gi­e­ne. Is­so tor­na-os tem­po­ra­ri­a­men­te me­nos ren­tá­veis, a pon­to de po­de­rem fe­char ou de­ci­di­rem des­pe­dir fun­ci­o­ná­ri­os. Pa­ra li­mi­tar o im­pac­to das que­bras de pro­du­ti­vi­da­de, Blan­chard, Phi­lip­pon e eu pro­po­mos sub­sí­di­os tem­po­rá­ri­os aos sa­lá­ri­os. Mais uma vez, is­so po­de sal­var em­pre­gos nu­ma al­tu­ra em que um gran­de au­men­to no de­sem­pre­go ar­ris­ca tor­nar a re­a­lo­ca­ção do tra­ba­lho ine­fi­caz.

O pi­or da pan­de­mia já pas­sou, pe­lo me­nos na Eu­ro­pa, e as no­tí­ci­as de­ve­rão con­ti­nu­ar a ser bo­as nas pró­xi­mas se­ma­nas. Ao pro­por­ci­o­na­rem se­gu­ran­ça a tra­ba­lha­do­res e em­pre­sas, os go­ver­nos fi­ze­ram o seu tra­ba­lho até ago­ra. Mas es­te foi ape­nas o pri­mei­ro pas­so. É im­pe­ra­ti­vo que man­te­nham o apoio eco­nó­mi­co du­ran­te o tem­po que for ne­ces­sá­rio e que to­mem no­vas me­di­das pa­ra con­ter da­nos du­ra­dou­ros.

Pa­ra evi­tar da­nos du­ra­dou­ros, a pri­mei­ra pri­o­ri­da­de é con­ti­nu­ar a apoi­ar a re­cu­pe­ra­ção du­ran­te o tem­po que for ne­ces­sá­rio.

O pi­or da pan­de­mia já pas­sou, pe­lo me­nos na Eu­ro­pa, e as no­tí­ci­as de­ve­rão con­ti­nu­ar a ser bo­as nas pró­xi­mas se­ma­nas.

Tra­du­ção: Ri­ta Fa­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.