A qua­dra­tu­ra do cír­cu­lo da dí­vi­da de An­go­la à Chi­na

Lu­an­da e Pe­quim con­ti­nu­am a ne­go­ci­ar os ter­mos do alí­vio da dí­vi­da. An­go­la es­tá mui­to ex­pos­ta à Chi­na, mas a ques­tão, além de fi­nan­cei­ra, é so­bre­tu­do re­le­van­te no ta­bu­lei­ro da ge­o­po­lí­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal e is­so di­fi­cul­ta um acor­do en­tre as par­tes.

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA PÁGINA - CELSO FILIPE cfi­li­pe@ne­go­ci­os.pt

Are­ne­go­ci­a­ção da dí­vi­da de An­go­la à Chi­na não po­de ser vis­ta ape­nas do pon­to de vis­ta fi­nan­cei­ro. A ma­triz para per­ce­ber as di­fi­cul­da­des de um en­ten­di­men­to en­tre as par­tes é es­sen­ci­al­men­te de na­tu­re­za ge­o­po­lí­ti­ca e en­tron­ca na apro­xi­ma­ção de An­go­la às eco­no­mi­as oci­den­tais, so­bre­tu­do a paí­ses como a Ale­ma­nha e os Es­ta­dos Uni­dos.

O go­ver­no de An­go­la es­tá pres­si­o­na­do pe­lo enor­me pe­so da dí­vi­da e a Chi­na usa is­so a seu fa­vor, mas não po­de es­ti­car de­ma­si­a­do a cor­da. Pe­quim con­ti­nua a pre­ci­sar do pe­tró­leo an­go­la­no para ali­men­tar a sua in­dús­tria e não po­de pres­cin­dir des­te país afri­ca­no, fun­da­men­tal na es­tra­té­gia de in­fluên­ci­as que de­se­nhou para o con­ti­nen­te.

Se­gun­do o Ban­co Mun­di­al, em 2018, An­go­la de­via à Chi­na 19,3 mil mi­lhões de dó­la­res, sen­do que en­tre 2002 e 2018 os em­prés­ti­mos con­ce­di­dos por Pe­quim te­rão atin­gin­do os 43,2 mil mi­lhões dó­la­res. Ou se­ja, du­ran­te es­te pe­río­do, An­go­la te­rá pa­go à Chi­na 23,9 mil mi­lhões de dó­la­res.

A Chi­na, ha­bi­tu­a­da a fi­car com a fa­tia de leão das gran­des obras pú­bli­cas an­go­la­nas, so­bre­tu­do ao ní­vel das in­fra­es­tru­tu­ras, sen­tiu es­se es­ta­tu­to fra­gi­li­za­do quan­do em fe­ve­rei­ro des­te ano An­go­la anun­ci­ou a cri­a­ção de uma par­ce­ria pú­bli­co-pri­va­da com os ale­mães da Si­e­mens para cons­truir o me­tro de su­per­fí­cie de Lu­an­da, um pro­je­to de três mil mi­lhões de dó­la­res. Nes­se mes­mo mês, o se­cre­tá­rio de Estado nor­te-ame­ri­ca­no, Mi­ke Pom­peo, avan­ça­va que vá­ri­as em­pre­sas nor­te-ame­ri­ca­nas iri­am in­ves­tir mais de dois mil mi­lhões de dó­la­res em An­go­la em pro­je­tos de pe­tró­leo e gás na­tu­ral.

A pan­de­mia de co­vid-19 pro­vo­cou um ru­de gol­pe nas con­tas pú­bli­cas an­go­la­nas e a que­da do pe­tró­leo, ali­a­da à li­be­ra­li­za­ção cam­bi­al que pro­vo­cou uma des­va­lo­ri­za­ção do kwan­za e pres­si­o­nou os preços dos bens de con­su­mo, aju­dou a com­por um qua­dro de gran­des di­fi­cul­da­des. Fa­ce a es­ta si­tu­a­ção, as três prin­ci­pais agên­ci­as de no­ta­ção fi­nan­cei­ra, Stan­dard & Po­ors, Fit­ch e Mo­odys, re­vi­ram em bai­xa a ava­li­a­ção do ris­co de An­go­la e é nes­te qua­dro que o alí­vio da dí­vi­da se tor­na re­le­van­te.

Num co­mu­ni­ca­do pu­bli­ca­do a 11 de se­tem­bro , o Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças afir­ma que “as au­to­ri­da­des an­go­la­nas es­tão, tam­bém, a pro­gre­dir na im­ple­men­ta­ção da re­for­mu­la­ção de per­fis de al­guns fa­ci­li­ta­do­res de fi­nan­ci­a­men­to apoi­a­dos pe­lo pe­tró­leo, de­ci­são to­ma­da para melhor re­fle­tir o am­bi­en­te de mer­ca­do atu­al e pro­por­ci­o­nar um con­si­de­rá­vel alí­vio da dí­vi­da, man­ten­do a ob­ten­ção de pe­tró­leo a lon­go pra­zo”.

O FMI já ma­ni­fes­tou dis­po­ni­bi­li­da­de para au­men­tar o apoio fi­nan­cei­ro a An­go­la, mas mes­mo que is­so se ma­te­ri­a­li­ze não se­rá su­fi­ci­en­te para dis­pen­sar a Chi­na de uma so­lu­ção glo­bal . No fun­do, o de­sa­fio que se co­lo­ca a João Lou­ren­ço se­rá o de agra­dar a Washington e Pe­quim em si­mul­tâ­neo, con­ci­li­an­do as pro­mes­sas oci­den­tais de mais in­ves­ti­men­to e a cer­te­za de um apoio chi­nês que tem si­do es­tá­vel mas li­mi­ta o fu­tu­ro do país.

Jo­sé Co­e­lho/Lu­sa

João Lou­ren­ço tem en­sai­a­do apro­xi­ma­ções à Eu­ro­pa e tam­bém aos Es­ta­dos Uni­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.