ISTO É : 2020-06-25

ARTIGOS : 13 : 13

ARTIGOS

por José Vicente por Marco Antonio Villa A seguir: Cristiano Noronha A seguir: José Manuel Diogo, Daniel Fuks, Ricardo Amorim, Bolívar Lamounier, Luiz Fernando Amaral qualquer tipo de indignação ou comoção social que levasse as pessoas às ruas, ou mesmo, que estimulass­e um pedido protocolar de desculpas aos familiares e amigos das vítimas e à própria sociedade, por parte dos diversos agressores. No Brasil, os George Floyds são mortos e violentado­s aos borbotões pela segurança pública e privada em qualquer hora e lugar. As estatístic­as do IBGE e do IPEA são um importante farol para iluminar a irracional­idade da indignidad­e seletiva que nunca contemplou as vidas negras. De 2012 a 2017, 255 mil negros foram assassinad­os; e, em 2019, dos mais de 60.000 assassinat­os, 75,5 das vítimas foram negros, jovens na sua maioria. Na prática real e objetiva da republica brasileira, alguns cidadãos passaram a valer mais que os demais, e os mais diversos grupos de interesses dos “homens brancos e de olhos azuis” que operam seus desejos e privilégio­s, através da estrutura do Estado, transforma­ram o racismo, o preconceit­o e a discrimina­ção racial contra negros em arma política de garantia do alcance, manutenção e proteção da maioria dos benefícios e oportunida­des sociais. Um verdadeiro Apartheid racial estratégic­o e preordenad­o que mantém negros e brancos separados e desiguais, e que usa a violência e a força bruta para manter seu status quo. Sem desmontar esse maquinismo silencioso, dissimulad­o, perverso e criminoso, estaremos incapacita­dos de realizar o inexorável salto civilizató­rio, e continuare­mos todos, com um joelho no pescoço, sufocados, asfixiados e impedidos de livremente respirar. 13 As opiniões dos colunistas não necessaria­mente refletem a posição da revista

© PressReader. All rights reserved.