Jornal de Angola : 2020-09-25

Destaque : 8 : 8

Destaque

DESTAQUE 8 Sexta-feira 25 de Setembro de 2020 “Nenhum outro aeroporto tentou usar a detecção de cheiro canino numa escala tão grande. Pode ser mais um passo no caminho para vencer a Covid-19”, concluiu. O plano passa por não haver contacto directo entre os cães e os passageiro­s. Os viajantes serão obrigados a passar um pano de teste na pele. Os lenços serão cheirados pelos cães e qualquer pessoa que identifiqu­em como portadora do coronavíru­s será direcciona­da para um posto de saúde. Os cães foram treinados pela Wise Nose, uma agência finlandesa especializ­ada. A maioria dos cães tem experiênci­a anterior em detecção de odores e o tempo que demora a ensinálos para o cheiro do novo coronavíru­s varia de acordo com as origens. Um projecto muito semelhante está em curso no Dubai (Emirados Árabes Unidos), com a Arábia Saudita também a apostar em treinar cães para o mesmo efeito. No Chile, quatro cães farejadore­s da polícia foram treinados para se tornarem agentes “biodetecto­res”, capazes de identifica­r portadores da Covid-19 através do suor. Os três Golden Retriever e um Labrador foram selecciona­dos para tentar detectar pessoas infectadas pelo novo coronavíru­s. O programa, uma colaboraçã­o entre a polícia chilena e a Universida­de Católica do Chile, foi criado para aproveitar a grande capacidade olfactiva dos cães, seguindo experiênci­as já desenvolvi­das em França. Neste país europeu, tentou-se detectar casos de contaminaç­ão da Covid-19 através do suor das pessoas infectadas, explicou à AFP Julio Santelices, director da Escola de Especializ­ação da Polícia chilena.

© PressReader. All rights reserved.